Página 1 dos resultados de 14 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Phenolics and antimicrobial activity of traditional stoned table olives alcaparra

Sousa, A.; Ferreira, Isabel C.F.R.; Calhelha, Ricardo C.; Andrade, P.B.; Valentão, P.; Seabra, R.M.; Estevinho, Leticia M.; Bento, Albino; Pereira, J.A.
Fonte: Elsevier Publicador: Elsevier
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
160.34477%
In the present work, we report the determination of phenolic compounds in ‘alcaparra’ table olives by reversed-phase HPLC/DAD, and the evaluation of their extract in vitro activity against several microorganisms that may be causal agents of human intestinal and respiratory tract infections, namely Gram positive (Bacillus cereus, Bacillus subtilis, and Staphylococcus aureus), Gram negative bacteria (Pseudomonas aeruginosa, Escherichia coli, and Klebsiella pneumoniae) and fungi (Candida albicans and Cryptococcus neoformans). Three flavonoidic compounds were identified and quantified: luteolin 7-O-glucoside, apigenin 7-O-glucoside, and luteolin. At low concentrations (0.05 mg/mL) ‘alcaparra’ extract revealed significant inhibition of both Gram positive and Gram negative bacteria growth, with exception of P. aeruginosa. Nevertheless, no antifungal activity was observed at the tested concentrations.

Effect of solvent and extraction temperatures on the antioxidant potential of traditional stoned table olives “alcaparras”

Sousa, A.; Ferreira, Isabel C.F.R.; Barros, Lillian; Bento, Albino; Pereira, J.A.
Fonte: Elsevier Publicador: Elsevier
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
160.34477%
This paper reports the first approach to the antioxidant potential evaluation of traditional stoned table olives ‘‘alcaparras’’. This kind of olives are largely produced and consumed in Trás-os-Montes region (Northeast of Portugal). Different solvents and temperature extraction conditions were employed in order to achieve the best method to obtain phenolic compounds and a higher antioxidant activity. The optimum method (water at boiling temperature) was applied on 10 samples from the traditional market. The total phenol content ranged between 5.58mg gallic acid equivalents (GAE)/g and 29.88mg GAE/g and effective concentration (EC50) values were in the range 0.36–1.64 and 0.34–1.72 mg/mL for reducing power and radical scavenging effect, respectively. A significantly negative linear regression was observed between the total phenol content found in the samples and its antioxidant activity.

Caracterização quimica e actividade biológica de azeitonas verdes descaroçadas "alcaparras" produzidas em Trás-os-Montes

Sousa, Anabela
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança Publicador: Instituto Politécnico de Bragança
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
410.63207%
As azeitonas de mesa descaroçadas “alcaparras” são um tipo de azeitonas produzidas de forma tradicional e muito apreciadas em Trás-os-Montes. Neste trabalho pretendeu-se contribuir para a sua caracterização em termos nutricionais, químicos e de actividade biológica (poder antioxidante e actividade antimicrobiana). O trabalho incidiu em 30 amostras recolhidas ao longo de três anos consecutivos. Na caracterização nutricional procedeu-se à determinação da humidade, proteína bruta, gordura total, cinzas, hidratos de carbono e valor energético. Verificou-se que as "alcaparras" são maioritariamente constituídas por água (entre 60,4 e 81,0%), e gordura, (de 7,6 a 29,3%). Para o estudo da composição química foi avaliado na gordura extraída o perfil em ácidos gordos por GC/FID e o teor em tocoferóis por HPLC/FD, enquanto que na polpa da azeitona foram determinados os compostos fenólicos por HPLC/DAD. A composição em ácidos gordos é semelhante à do azeite da região com predominância dos ácidos gordos monoinsaturados, o ácido oleico foi maioritário (≈ 77,7%) seguido do palmítico (≈ 13,1%) e do linoleico (≈ 3,8%). O teor em tocoferóis variou entre 30,7 mg e 106,3 mg/kg de gordura, sendo o α-tocoferol mais abundante. Detectou-se e quantificou-se também a presença de três flavonóides (luteolina 7-O-glucosido...

Composição fenólica e actividade antimicrobiana em azeitonas descaroçadas “Alcaparra” produzidas em Trás-os-Montes

Sousa, Anabela; Ferreira, Isabel C.F.R.; Estevinho, Leticia M.; Andrade, P.B.; Valentão, P.; Bento, Albino; Seabra, R.M.; Pereira, J.A.
Fonte: Escola Superior Agrária de Beja Publicador: Escola Superior Agrária de Beja
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Português
Relevância na Pesquisa
160.34477%
Em Trás-os-Montes, no início do Outono, são produzidas azeitonas descaroçadas em pedaços, conhecidas como “alcaparras”, muito apreciadas e consumidas na região principalmente nos períodos de Outono-Inverno. Com a realização do presente trabalho, pretendeu-se por um lado proceder à caracterização da fracção fenólica deste tipo de azeitona de mesa por HPLC/DAD, e por outro proceder à avaliação in vitro de extractos aquosos de “alcaparra” contra diferentes microrganismos patogéneos agentes de infecções intestinais e respiratórias, nomeadamente bactérias Gram-positivas (Bacillus cereus, B. subtilis e Staphylococcus aureus), Gram- negativas (Pseudomonas aeruginosa, Escherichia coli e Klebsiella pneumoniae) e fungos (Candida albicans e Cryptococcus neoformans). Foram identificados e quantidados três compostos flavonóides: luteolina 7-O-glucosido, apigenina 7-O-glucosido e luteolina. Verificou-se, a baixas concentrações de extracto de “alcaparra” (0,05 mg/mL), uma inibição significativa do crescimento das bactérias, com excepção de P. aeruginosa. Os extractos estudaram mostraram, nas concentrações testadas, não possuir actividade antifungica.

Actividade antioxidante de azeitonas descaroçadas tipo “Alcaparras”

Sousa, Anabela; Ferreira, Isabel C.F.R.; Barros, Lillian; Ferreira, Maria João; Bento, Albino; Pereira, J.A.
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança Publicador: Instituto Politécnico de Bragança
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Português
Relevância na Pesquisa
160.34477%
A azeitona de mesa é um alimento tradicionalmente Incluído na dieta Meditenânica, sendo considerada uma fonte importante de antioxidantes naturais nomeadamente compostos fenólicos e vitamina E. A presença destes compostos nos alimentos tem sido relacionada com uma menor taxa de incidência de doenças coronárias nos países da Bacia do Mediterrâneo. Em Trás-os-Montes, há um grande consumo dos diferentes tipos de azeitona de mesa, sendo as azeitonas descaroçadas tipo "Alcaparra", produto obtido de forma tradicional, largamente consumidas nos meses de Outono-Inverno.

Actividade antioxidante de azeitonas descaroçadas tipo “Alcaparras”

Sousa, Anabela; Ferreira, Isabel C.F.R.; Barros, Lillian; Ferreira, Maria João; Bento, Albino; Pereira, J.A.
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança Publicador: Instituto Politécnico de Bragança
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Português
Relevância na Pesquisa
160.34477%

Influência da cultivar nas características sensoriais de azeitonas verdes descaroçadas produzidas em Trás-os-Montes.

Sousa, A.; Malheiro, R.; Rodrigues, S.; Casal, Susana; Bento, Albino; Pereira, J.A.
Fonte: Escola Superior Agrária de Santarém Publicador: Escola Superior Agrária de Santarém
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Português
Relevância na Pesquisa
160.34477%
As azeitonas verdes descaroçadas, regionalmente apelidadas de "alcaparras", são um tipo de azeitona de mesa produzido de forma tradicional e muito apreciadas em Trás-os-Montes. Inicialmente, a produção deste tipo de azeitonas era vista como um aproveitamento de frutos caídos da oliveira, sobretudo a partir de meados e finais de Setembro, situação alterada hoje em dia devido ao preço que este produto atinge. Na Elaboração deste tipo de azeitonas, os frutos são colhidos verdes, partidos, ocorrendo a separação do caroço e da polpa que fica quebrada em duas ou mais partes desiguais. A polpa é colocada em água, sendo esta substituída diariamente ate que as azeitonas percam o amargor ou sejam consideradas "doces". Nesta altura é-lhe adicionado sal e são temperadas a gosto.

Actividade antioxidante de azeitonas verdes descaroçadas produzidas em Trás-os-Montes: estudo do efeito da cultivar.

Malheiro, R.; Sousa, A.; Casal, Susana; Bento, Albino; Pereira, J.A.
Fonte: V Simpósio Nacional de Olivicultura Publicador: V Simpósio Nacional de Olivicultura
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Português
Relevância na Pesquisa
182.97406%
A azeitona de mesa e parte integrante da dieta Mediterrânica, sendo considerada uma fonte importante de antioxidantes. Em Trás-os-Montes, no inicio do Outono, são processadas de forma artesanal um tipo de azeitona de mesa denominada "alcaparras". Para 0 seu processamento, os frutos são colhidos verdes, partidos, retirado o caroço e introduzidos em agua, mudada diariamente, durante aproximadamente uma semana ate que possam ser consumidos. De uma maneira geral, o factor cultivar não e tido em conta no processamento, apesar de apresentarem composição química e propriedades tecnológicas distintas. Assim, com o presente trabalho pretendeu-se estudar 0 efeito da cultivar na actividade antioxidante das "alcaparras". Neste sentido, foram processados lotes de azeitonas verdes descaroçadas monovarietais, à escala laboratorial das cultivares Cobrançosa, Madura!, Negrinha de Freixo, Santulhana e Verdeal Transmontana.

Influência da cultivar nas características físico-quimicas, sensoriais e biológicas de azeitonas verdes descaroçadas

Malheiro, R.
Fonte: Instituto Politécnico de nBragança, Escola Superior Agrária Publicador: Instituto Politécnico de nBragança, Escola Superior Agrária
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
317.13984%
As azeitonas verdes descaroçadas, “Alcaparras”, são um tipo de azeitona de mesa produzido de forma tradicional e muito apreciadas na região de Trás-os-Montes. De maneira geral, na sua produção o factor cultivar não tem sido tido em conta. Neste sentido, com o presente trabalho pretendeu-se avaliar a influência da cultivar nas características físico-químicas, sensoriais e biológicas deste tipo de azeitonas. Para tal, procedeu-se à preparação de diferentes lotes de “alcaparras” à escala laboratorial, com azeitonas das cultivares mais representativas da região, nomeadamente Cv. Cobrançosa, Madural, Negrinha de Freixo, Santulhana e Verdeal Transmontana, e avaliou-se a sua composição físico-química (humidade, gordura total, proteína total, cinzas e hidratos de carbono+fibras), valor energético, avaliação sensorial e quantificação de alguns componentes: ácidos gordos (GC/FID), tocoferóis (HPLC/FD), compostos voláteis (HS-SPME e GC/IT-MS) e compostos fenólicos (HPLC/DAD). Por último foi avaliada a actividade antioxidante das azeitonas de diferentes cultivares através dos métodos do efeito bloqueador dos radicais de DPPH e do Poder Redutor. As “alcaparras” são maioritariamente constituídas por água (> 70%) e gordura (entre 12...

Effect of cultivar on sensory characteristics, chemical composition, and nutritional value of stoned green table olives

Malheiro, R.; Casal, Susana; Sousa, Anabela; Pinho, P. Guedes de; Peres, António M.; Dias, L.G.; Bento, Albino; Pereira, J.A.
Fonte: Springer Publicador: Springer
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
194.8275%
The effect of olive cultivar on sensory characteristics, chemical composition, and nutritional value of traditional stoned green table olives “alcaparras” was studied. The most representative cultivars from Trás-os-Montes region, Portugal (Cv. Cobrançosa, Madural, Negrinha de Freixo, Santulhana, and Verdeal Transmontana) were studied. The results showed that, regardless the cultivar, water was the main constituent with values greater than 70%, followed by fat that varied between 12.5% and 20.1%. Carbohydrates amount was greater in Cv. Madural (9.2%) and those produced from Cv. Cobrançosa had higher level of nitrogenous compounds, with 1.4%. Ashes contents of table olives varied from 1.6% to 1.9%, without significant differences among cultivars. Moreover, 100 g of “alcaparras” provided an energetic value between 154 and 212 kcal for Cv. Madural and Verdeal Transmontana, respectively. Oleic acid was the main fatty acid detected (higher than 66.9%), followed by palmitic acid (10.8–13.3%) and linoleic acid (2.7–10.3%). A linear discriminant model was established based on the “alcaparras” table olives fatty acids profile. Three fatty acids (C16:0, C18:0, and C18:3) and total saturated fatty acids, monounsaturated fatty acids...

Azeitonas de mesa transmontanas: contributo para a sua caracterização e bases para a criação de uma nova Denominação de Origem Protegida (DOP)

Pereira, Ermelinda; Malheiro, R.; Sousa, Anabela; Rodrigues, Nuno; Casal, Susana; Bento, Albino; Pereira, J.A.
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança, Escola Superior Agrária, CIMO Publicador: Instituto Politécnico de Bragança, Escola Superior Agrária, CIMO
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Português
Relevância na Pesquisa
182.97406%
Em Portugal, existe uma grande tradição de produção de azeitona de mesa sendo Trás-os-Montes uma das mais importantes regiões produtoras. Neste sentido, nos últimos anos tem havido um grande esforço para proceder à caracterização dos diferentes tipos de azeitonas produzidas na região, ao nível microbiológico, físico-químico e sensorial, no âmbito de diferentes projectos entre os quais o que se encontra em curso “Table olives from the northeast of Portugal: Contribution for their characterization and promotion” financiado pelo Conselho Oleícola Internacional. Neste âmbito diferentes trabalhos têm decorrido como sejam: caracterização de “alcaparras” e seu potencial biológico; o estudo da influência da cultivar na composição, actividade biológica e características sensoriais; a fracção fenólica de “alcaparras” e azeitonas de mesa ao natural; a fracção volátil de diferentes cultivares e sua influência no produto final; a caracterização da flora microbiana; e avaliação da sua segurança para o consumidor. Com os trabalhos desenvolvidos pretende-se contribuir para a criação de uma nova Denominação de Origem Protegida de “Azeitonas de Mesa Transmontanas”

Pesquisa de Campo: an??lise microbiol??gica e sensorial em alimentos ap??s a expira????o do prazo de validade

Silva, J??ssika Cristinne de Oliveira
Fonte: Centro Universitário de Brasília Publicador: Centro Universitário de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Português
Relevância na Pesquisa
160.34477%
Grande parte da popula????o insiste em consumir produtos ap??s a expira????o do prazo de validade j?? que alguns produtos n??o apresentam altera????es vis??veis. O presente trabalho tem por objetivo avaliar as condi????es microbiol??gicas e sensoriais (cor, odor e textura) de alimentos industrializados ap??s seu vencimento. Trata-se de um estudo observacional transversal. Foram analisadas nove amostras: casquinha de siri congelada e pronta, lasanha de calabresa congelada e pronta, cacau em p??, polvilho doce, alcaparras em conserva, cereja em conserva, figo em conserva, doce de leite e goiabada. Foi observado que 100% das amostras apresentou altera????es microbiol??gicas e 54% apresentou altera????es sensoriais, potencializando as doen??as transmitidas por alimentos (DTA???s) e seus riscos para a sa??de.

Don Carlos por la Gracia de Dios Rey de Castilla ... se nos ha representado que haviendose juntado el Grande y General Consejo en 16, de Febrero deste año entre otros acuerdos, que se hizieron fue uno diziendo assi: Que convenia al Reyno se pudiessen embarcar libremente, y sin pidir licencia: Vino Aguardiente, Passas, Higos, y Almendras ...

Espanya; Carles II,
Fonte: [Madrid : s.n., Publicador: [Madrid : s.n.,
Tipo: Text; info:eu-repo/semantics/book Formato: application/pdf
Publicado em //1688] Português
Relevância na Pesquisa
160.34477%
Escut reial xil. a la capçalera del text; Publicada:"EN la Villa de Madrid treynta dias del més de Iunio año del nacimiento de Nuestro Señor Iesu Christo de Mil, Seiscientos, y Ochenta, y ocho"; Reclams; Sign.: A; "Real cedula de S.M y sres. Del Consejo, por la qual en el Reyno de Mallorca se permite libremente, y sin licencia alguna la extraccion de Vino, Aguardiente, Passas, Higos y Almendras en la misma forma que se sacan y extraen los Aceites, Alcaparras y Quesos y sin pagar derechos algunos, sino los universales á los Arrendadores o Administradores dellos" --Catàleg manual de la Biblioteca Econòmica Carandell; Reial cèdula de sa Majestat i els senyors del Consell, per la qual en el Regne de Mallorca es pemet lliurement, i sense llicència l'extracció de Vi, Aiguardent, Panses, Figues i Ametlles de la mateixa manera que es treuen i s'extreuen els Olis, Tàperes i Formatges i sense pagar cap mena de drets, sino els universals als Arrendadors o Administradors d'aquests..

Desenvolvimento e caracterização físico-química, microbiológica e sensorial do pão transmontano com azeitonas verdes descaroçadas do tipo “alcaparras”

Pawlak, Chalissa
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança Publicador: Instituto Politécnico de Bragança
Tipo: Dissertação de Mestrado
Português
Relevância na Pesquisa
427.96%
Os produtos de panificação são fundamentais para a dieta no mundo inteiro, sendo os principais ingredientes a farinha, água potável e fermento ou levedura. O trigo é o cereal mais utilizado a nível mundial. Contudo, o centeio está cada vez mais sendo consumido, devido a ser uma fonte rica em fibras, o que traz vários benefícios para a saúde. Além disso, a produção de novos tipos de pão com outros ingredientes tem-se verificado, devido à procura crescente de novos produtos por parte do consumidor atual, mais atento e preocupado com a sua saúde. Tendo em conta este facto, o principal objetivo do presente trabalho foi desenvolver e caracterizar em termos físico-químicos, microbiológicos, propriedades antioxidantes e sensoriais, um Pão Transmontano elaborado com azeitonas verdes descaroçadas do tipo “alcaparras”. Pretendeu-se seguir a receita tradicional do pão transmontano, associando-se desta forma três produtos muito apreciados nesta região, designadamente o pão, as “alcaparras” e o azeite. De forma a atingir os objetivos acima mencionados foram realizados dois ensaios. Inicialmente só foi utilizada farinha de trigo e posteriormente adicionou-se farinha de centeio e azeite, tendo sido utilizadas diferentes percentagens de “alcaparras”. Em ambos os ensaios...