Página 1 dos resultados de 103 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Paleotemperaturas e paleofluidos da Formação Irati na borda leste da Bacia do Paraná: implicações para a geração e migração de hidrocarbonetos; Paleotemperatures and Paleofluids of the Irati Formation in the eastern border of the Paraná Basin: implications for hydrocarbon generation and migration.

Oliveira, Alexandra Fernandes
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 25/04/2012 Português
Relevância na Pesquisa
50.273457%
O sistema petrolífero Irati-Pirambóia tem como rocha geradora os folhelhos permianos da Formação Irati e como reservatórios principais os arenitos fluvio-eólicos permo-triássicos da Formação Pirambóia. Diversos autores associam a geração de hidrocarbonetos a partir dos folhelhos da Formação Irati ao magmatismo Serra Geral (Eocretáceo). A análise de inclusões fluidas em minerais autigênicos tem fornecido informações valiosas para o entendimento da dinâmica e evolução de processos pós-deposicionais dentre os quais se incluem os processos de geração e migração de hidrocarbonetos. Os estudos petrográficos realizados em inclusões fluidas aquosas e de hidrocarbonetos presentes em veios de calcita espática e quartzo, associados aos ensaios microtermométricos em inclusões fluidas aquosas, permitiram estimar as temperaturas atingidas pela Formação Irati na borda leste da Bacia do Paraná, bem como obter informações sobre características composicionais dos fluidos aprisionados. Inclusões fluidas aquosas apresentam-se como inclusões bifásicas associadas a monofásicas, com morfologia irregular a regular e dimensões entre 5'mü'm e 25'mü'm, nas quais a fase vapor geralmente situa-se entre 5 e 15% do volume da inclusão. As inclusões aquosas ocorrem de forma isolada no cristal (primárias)...

Hidrotermalismo evidenciado por minerais autigênicos e inclusões fluidas da Formação Teresina, Bacia do Paraná

Nomura, Sara Ferreira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 24/08/2012 Português
Relevância na Pesquisa
70.26961%
A Formação Teresina na borda leste da Bacia do Paraná inclui fácies terrígenas e carbonáticas, as quais se destacam pela diversidade e quantidade de produtos autigênicos. Isto inclui calcedônia pervasiva e cimentos e veios de quartzo e calcita.Os componentes de ocorrência mais restrita abrangem barita, celestita, analcima, dolomita, interestratificados de esmectita-ilita, saponita e betume sólido. Os veios de calcita e quartzo são predominantemente verticais. Porém, salienta-se a ocorrência de veios horizontais de calcita paralelos ao acamamento (veios beef). Análises petrográficas foram utilizadas para caracterização dos componentes autigênicos e de suas relações texturais. Análises de inclusões fluidas foram realizadas em calcita e quartzo autigênicos para estimar paleotemperaturas e caracterizar a composição dos paleofluidos aquosos e hidrocarbonetos identificados. A silicificação por calcedônia afeta principalmente as fácies de calcários e teria ocorrido durante a eodiagênese possivelmente influenciada por eventos hidrotermais permo-triássicos. As paragêneses minerais formadas por barita, dolomita e calcita blocosa em cavidade de dissolução em chert nodular brechado e calcita espática, barita...

Mineralogia, inclusões fluidas e aspectos genéticos do topázio imperial da Região de Ouro Preto, Minas Gerais

Gandini, Antonio Luciano
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 16/12/1994 Português
Relevância na Pesquisa
49.89472%
O topázio imperial da região Ouro Preto, Minas Gerais, ocorre sob a forma de cristais prismáticos, sendo raros os exemplares biterminados. Apesar de normalmente ocorrerem sob a forma de agregados e fragmentos, predominam os tipos idiomórficos constituídos de dois prismas rômbicos verticais terminados por uma bipirâmide rômbica. As dimensões variam desde alguns milímetros até 20 cm aproximadamente, predominando a faixa em torno de 1 a 4cm. As análises dos parâmetros de cela unitária mostraram que a0 varia de 4,615 a 4,656A, b0 de 8,747 a 8,815A, c0 de 8,375 a 8,412A e o volume (V) da cela unitária de 340,639 a 343,823A³. A cor, uma das propriedades mais notáveis desse mineral-gema, varia de amarelo-dourado a vermelho-conhaque, apresentando matizes transicionais entre esses dois tipos. Análises químicas de topázios coloridos obtidas a partir de microssonda eletrônica indicaram ser o Cr³+, V³+ e Fe³+ os possíveis cromóforos deste mineral-gema. Para os topázios da região Ouro Preto, o teor médio de SiO2 é de 32,50%, o de Al2O3 54,90% e o de F- 16,00%. Com relação aos índices de regração, nX varia de 1,615 a 1,628, nY de 1,618 a 1,631 e nZ de 1,625 a 1,639; a birrefringência , por sua vez, varia de 0...

Evolução térmica e paleofluídos dos folhelhos da Formação Serra Alta na borda leste da Bacia do Paraná; not available

Teixeira, Carlos Alberto Siragusa
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 23/05/2014 Português
Relevância na Pesquisa
49.89472%
A Formação Serra Alta é constituída por uma sequência de folhelhos e siltitos cinza supostamente de origem marinha. Esta unidade é uma potencial rocha geradora de hidrocarbonetos e zona preferencial para alojamento de sills associados ao magmatismo Serra Geral. Visando a caracterização do potencial gerador de hidrocarbonetos, a evolução térmica e os paleofluidos diagenéticos da Formação Serra Alta, foram realizadas medidas de concentração de carbono orgânico total (COT) e hidrogênio (H) em amostras coletadas em afloramentos e estudos isotópicos e de inclusões fluidas em materiais diagenéticos. Os teores de carbono orgânico total (COT) e hidrogênio (H) para as amostras de folhelhos da Formação Serra Alta estão situados entre 0,1 e 0,5% e entre 0,24 e 3,20%, respectivamente. Os dados microtermométricos apresentaram temperaturas de homogeneização (Th) que variaram de 55 a 220°C, temperaturas eutéticas (Te) de -57,5 a -49,5ºC (sistema H2O + NaCl + CaCl2) e temperaturas de fusão do gelo (Tfg) de -2,5 a 1,0°C, indicativas de salinidades baixas, entre 0 e 4,2% em peso de NaCl equivalente. Os resultados de ''delta'' POT.13''C IND.PDB' e "delta''POT.18' 'O IND.PDB' das amostras de veio e cimento de calcita demonstram valores negativos (%o)...

Estudos de inclusões fluidas na mina de ouro Fazenda Brasileiro, "Greenstone Belt" do Rio Itapicuru, Bahia; Not available.

Xavier, Roberto Perez
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/1987 Português
Relevância na Pesquisa
49.89472%
Na porção do Cráton do São Francisco, no Estado da Bahia, foi definido um grupo de rochas supracrustais vulcano-sedimentares fortemente deformadas e intrudidas por domos granito-gnáissicos, que vieram a caracterizar o "Greenstone Belt" do Rio Itapicuru, de provável idade Arqueana ou Proterozóica inferior. A seqüência vulcano-sedimentar compreende extensos derrames de rochas basálticas e complexos lenticulares localizados constituídos por lavas e rochas piroclásicas intermediárias à ácidas. A sedimentação químca e detrítica imatura se faz presente ao longo de toda a seqüência associada ao vulcanismo máfico, intercalada e mesclada ao vulcanismo félsico e formando cobertura. Esta seqüência vulcano-sedimentar encontra-se metamorfizada regionalmente na fácies xisto verde e anfibolito baixo. As principais mineralizações auríferas estão restritas à parte sul deste terreno vulcano-sedimentar, encontrando-se ao longo de um "trend" de cisalhamento de direção geral E-W e com mais 9.5 km de extensão, denominado Faixa Weber, onde se localiza a Mina Fazenda Brasileiro. As mineralizações pertencem à Seqüência Fazenda Brasileiro e hospedam-se em um quartzo-clorita xisto portador de magnetita, denominado "xisto-magnético"...

Mineralogia, inclusões fluídas e gênese de esmeraldas das jazidas de Chivor, Coscuez, Muzo, Pacho e Yacopi, Colômbia; Not available.

Romero Ordóñez, Fernando Heli
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 23/11/1993 Português
Relevância na Pesquisa
49.95446%
As jazidas de esmeralda da Colômbia estão localizadas na parte central da Cordilheira Oriental, nas regiões do Guavio e do Território Vásquez-Yacopí. Estas mineralizações de idade terciária, estão localizadas em rochas sedimentares marinhas de idade cretácea inferior, pertencentes às unidades estratigráficas Calizas del Guavio e Lutitas de Macanal, ambas situadas na região do Guavio, e às unidades Rosa Blanca e Paja localizadas no Território Vásquez-Yacopí. As características de posicionamento das mineralizações esmeraldíferas, sugerem um controle tectônico associado aos sistemas de falhas presentes nos anticlinais de Farallones e Villeta Portones. As esmeraldas ocorrem em bolsões, nódulos e lentes, frequentemente relacionados a veios de calcita e brechas de falha em folhetos carbonosos, siltitos e rochas carbonáticas. Existem muitos problemas relacionados à gênese das mineralizações, tanto no que se refere à idade, à origem e à composição dos fluidos mineralizantes, bem como aos mecanismos de transporte e deposição do berílio. Os valores dos parâmetros da cela unitária, dos índices de refração, da birrefringência e da densidade relativa para as esmeraldas do Muzo, Pacho, Yacopí, Coscuez e Chivor...

Caracterização preliminar das inclusões fluidas no turmalinito da região de Ibaré, sudoeste do Rio Grande do Sul

Acauan, Roberta Bonatto; Pulz, Genova Maria
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
48.823877%

A imiscibilidade de fluidos em mineralizações auriferas do tipo lode na Bacia Paleoproterozoica de Jacobina, BA

Emerson de Resende Carvalho
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 10/05/2001 Português
Relevância na Pesquisa
50.035303%
A Bacia Paleoproterozóica de Jacobina contém metaconglomerados auríferos do tipo Witwatersrand que são economicamente importantes e, subordinadamente, mineralizaçães auríferas epigenéticas sub-econômicas, representadas por brechas hidráulicas e sistemas de veios de quartzo hospedados em metaconglomerados (domínio I) e no contato entre quartzito e rochas máficas/ultramáficas intrusivas (domínio 11). Estudos petrográfico, microtermométrico e por microespectrometria Raman de inclusões fluidas contidas em quartzo associado aos domínios I e 11 revelaram três tipos composicionais de inclusões primárias/pseudosecundárias: inclusões (AC) constituídas por H20-C02(:tCH4), de baixa salinidade (média de 2% em peso eq. NaCI) e com razão C02/H20 variável (O, 1~C02:::;;O,8); inclusões (C) ricas em C02(:tCH4) com Vco2~,8; e inclusões aquosas (A) de baixa salinidade, contendo pequenas quantidades de C02. As inclusões AC predominam no domínio I, enquanto as inclusões C prevalecem no domínio 11. O pequeno conteúdo em CH4 (:::;;4 mol%) está restrito ao domínio 11. Inclusões aquosas secundárias de salinidade variável interceptam todos os outros tipos de inclusões e são interpretadas como decorrentes de um regime de fluido ativo durante o soerguimento...

Estudo da interação fuido-rocha nos depositos da lavrinha, distrito aurifero de Pontes e Lacerda-MT

Manoel Correa da Costa Neto
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/03/1998 Português
Relevância na Pesquisa
48.823877%
As mineralizações auríferas da Lavrinha, Mato Grosso, estão associadas a veios de quartzo em zonas de cisalhamento, geradas por uma tectônica compressiva, tangencial de baixo ângulo em regime dúctil-rúptil. Como conseqüência os metassedimentos proterozóicos do Grupo Aguapeí foram empurrados sobre um piso representado por rochas ígneas (metagabro, basalto, tonalito e granito) pertencentes ao embasamento. Este processo evoluiu para transcorrências dextrais associadas a regime rúptil-dúctil. O ouro é encontrado em dois níveis estruturais: o nível estrutural inferior é representado por rochas ígneas deformadas e cisalhadas na zona de contato com os litotipos do Grupo Aguapeí (metarenitos e metaconglomerados); o nível superior, representado por quartzo-sericita xisto, magnetita-quartzo-sericita xisto e sericita xisto está localizado em nível intermediário do pacote de metassedimentos da Formação Fortuna (Grupo Aguapeí). A paragênese de minério é composta por pirita e hematita, às quais o ouro está intimamente associado. A assembléia mineral de alteração inclui: rutilo, epídoto, clorita e carbonato que ocorrem de modo restrito, sendo a sericitização a mais pervassiva alteração hidrotermal. Os fluídos envolvidos no processo hidrotermal foram identificados em inclusões fluídas aquo-carbônicas e aquosas de baixa salinidade (aproximadamente 5% em peso equivalente de NaCI)...

Separação e caracterização de impurezas no quartzo natural : aplicação de metodos de lixiviação aquosa para extração de inclusões fluidas

Maria Augusta Pasquali
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 13/10/1992 Português
Relevância na Pesquisa
48.823877%
Neste trabalho foi realizado um estudo das impurezas no quartzo natural e ametistas considerando a natureza diversa dessas impurezas tais como, inclusões fluidas e impurezas estruturais. Com este propósito, foram selecionadas trinta e quatro amostras provenientes de oito jazidas de quartzo natural e três de ametistas... Observação: O resumo, na íntegra, poderá ser visualizado no texto completo da tese digital; In this study, two states of impurities in natural quartz nd anmothyst single crystals have been studies: fluid inclusion and lattice impurities. For this purpose thirty-four samples were collected from eigh mines of clear quartz and three mines of amothyst... Note: The complete abstract is available with the full eletronic digital thesis or dissertation

Metodologia de análise de inclusões fluidas por LA-ICP-MS e estudo de inclusões de líquidos silicáticos aplicados ao depósito de SN e IN do maciço granítico Mangabeira - Goiás, GO

Silva, Cristina Ferreira Correia
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
Português
Relevância na Pesquisa
50.435264%
Dissertação (mestrado—Universidade de Brasília, Instituto de Geociências, 2012.; Esta dissertação trata de metodologia de LA-ICP-MS em inclusões fluidas e estudo de melt inclusions do maciço granítico Mangabeira, pertencente à Província Estanífera de Goiás (PEG), localizado na região nordeste do estado de Goiás. O modelo do LA-ICP-MS utilizado foi o Agilent 7500ce quadrupole ICP-MS e um excimer laser (ArF) de 193 nm Lambda Physik Geolas com gás hélio. NIST SRM 610 e sódio foram os padrões externo e interno selecionados, respectivamente. A aplicação do LA-ICP-MS para análises de inclusões fluidas auxiliou a complementar a caracterização química dos fluidos mineralizadores desse depósito. Os resultados mostram precisão das análises superiores aos obtidos na literatura e eficiência do instrumento na remoção de interferências poliatômicas, até mesmo para Fe, K e Ca. Inclusões fluidas primárias e secundárias, bifásicas e trifásicas foram analisadas em grãos de quartzo e topázio de três tipos de rochas do depósito Mangabeira: (1) Li-siderofilita granito (g2d), (2) topázio-albita granito (TAG) e (3) topazito. Ferro e potássio foram encontrados nos grãos de quartzo em concentrações de até 150 e 190 ppm...

Inclusões fluidas em topázio do Complexo Granítico Estanífero de Massangana (RO)

Souza,Valmir da Silva; Pontes,Rodrigo Malheiros; Moura,Márcia Abrahão
Fonte: Escola de Minas Publicador: Escola de Minas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2003 Português
Relevância na Pesquisa
69.370146%
O complexo granítico de Massangana, localizado na região central de Rondônia, sudoeste do Cráton Amazônico, Brasil, é um importante exemplo da Província Estanífera de Rondônia. Esse complexo possui dimensões batolíticas, marcantes estruturas anelares relacionadas às sucessivas fases magmáticas e hospeda mineralizações de Sn, W, Nb, Ta, topázio e berilo associadas a pegmatitos. Esse trabalho apresenta a composição química e as condições mínimas de aprisionamento dos fluidos nos cristais de topázio encontrados no complexo granítico estanífero de Massangana. O topázio, de cor azul, apresenta qualidade gemológica e possui cinco grupos de inclusões fluidas de natureza H2O-NaCl, cuja salinidade equivalente varia de 3,4 a 11,7% em peso de NaCl, densidade em torno de 0,75g/cm³ e temperatura de homogeneização total (Th) entre 320 e 350ºC. Devido à íntima associação do topázio com cassiterita, wolframita e columbita-tantalita nos corpos pegmatíticos, admite-se que esse intervalo de Th também corresponda ao intervalo mínimo de cristalização desses outros minerais metálicos. Considerando que os pegmatitos no complexo granítico de Massangana estão associados às últimas fases magmáticas, é provável que a profundidade de posicionamento desses corpos pegmatíticos seja inferior a 3 km e a uma pressão estimada entre 1 e 1...

Estudos por µXRF-Sincrotron de fluidos mineralizadores detectados em minérios uraníferos, ferríferos e depósitos epitermais

Rios,Francisco Javier; Fuzikawa,Kazuo; Alves,James Vieira; Gonçalves,Rhaine Matos; Chaves,Alexandre de Oliveira; Souza,André Moreira de; Chaves,Adriana Mônica Dalla Vecchia; Pereira,Ana Rosa Passos; Lima,Tatiana Aparecida Fernandes de; Neves,José Marq
Fonte: Escola de Minas Publicador: Escola de Minas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2006 Português
Relevância na Pesquisa
49.370146%
O método de análise não-destrutivo denominado Microfluorescência de Raios X. (µSXRF, radiação Sincrotron) tem sido utilizado recentemente em laboratórios de luz Sincrotron de vários países para identificar e, em situações especiais, quantificar elementos menores, maiores e traços em inclusões fluidas. Com esse intuito, a estação de µSXRF do LNLS (Laboratório Nacional de Luz Sincrotron, Campinas) foi utilizada para desenvolver estudos composicionais de inclusões fluidas em minerais transparentes (quartzo, adulária, esmeralda, piroxênio) de diferentes jazidas minerais e minérios opacos de Ag e Fe.

Contribuição à petrologia de pegmatitos mineralizados em elementos raros e elbaítas gemológicas da província pegmatítica da Borborema, nordeste do Brasil

Rodrigues Soares, Dwight; Beurlen, Hartmut (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
Português
Relevância na Pesquisa
50.15824%
A Província Pegmatítica da Borborema (PPB) é mundialmente conhecida desde a II Guerra Mundial por seus pegmatitos mineralizados principalmente em Ta-Nb, Be, Sn, Li e mineraisgemas (elbaíta, água marinha, morganita, espessartita, etc.). Esses pegmatitos graníticos, de idade Brasiliana (Neoproterozóico), estão encaixados principalmente em biotita-xistos da Formação Seridó e em quartzitos e metaconglomerados da Formação Equador. A geologia, estrutura interna e mineralogia destes pegmatitos graníticos vêm sendo estudadas há mais de meio século, mas novas espécies minerais continuam a ser descritas, até os dias atuais. Os primeiros estudos de litogeoquímica, química mineral e de inclusões fluidas, foram publicados durante a última década e são ainda muito escassos. Desenvolveram-se estudos de inclusões fluidas, litogeoquímica e química mineral em micas, feldspatos, turmalina, granada, gahnita e nióbio-tantalatos. Os pegmatitos Boqueirão, Capoeira 1, 2 e 3, e Quintos, situados no município de Parelhas, Estado do Rio Grande do Norte foram selecionados para este estudo devido a sua perfeita zonação, no primeiro caso e por causa de trabalhos mineiros ativos nos outros casos, possibilitando a obtenção sistemática de amostras frescas e bem localizadas. São pegmatitos heterogêneos típicos...

Intrusões sub-vulcanicas alcalinas e lamprofiros nas mineralizações auriferas do Greenstone Belt do Rio Itapicuru, Bahia : petrografia, geoquimica e inclusões fluidas

Hector Rolando Barrueto
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 31/01/1997 Português
Relevância na Pesquisa
49.086304%
Nos depósitos auríferos de Fazenda Maria Preta (FMP) e Mari (MR), no greenstone belt do Rio ltapicuru, foram reclassificados dois litotipos hospedeiros da minera1ização aurífera, assim como caracterizados um filão máfico. No Corpo H (FMP) a mineralização encontra-se unicamente confinada à uma rocha subwIcânica reclassificada, com base na mineralogia, como álcali-feldspato sienito (AFS) (anterionnente designado como dacito silicificado), a qual não se estende para a o seu equivalente cisalhado (anterionnente dacito). O Corpo CI do depósito de MR está embutido numa intrusão hipoabissal classificada como álcali-feldspato traquito (AFr), e não como microgabro como antes considerada. Ao longo da zona da mineralização aurífera da FMP, ocasionalmente ocorrem vários corpos filoneanos, conhecidos como metadioritos cisalhados. Neste trabalho, estes diques foram textura1 e quimicamente caracterizados como lamprófiros de composição minéttica. Tanto o AFS quanto o AFT se caracterizam por ter teores muito altos de Na e muito baixo de K. Ambas as rochas são saturadas em Si, empotrecidas em Nb, Y, Rb e Sr. O AFS mostra-se mais ftacionado em elementos de terras raras do que o AFT, sem mostrar grandes variações perante a alteração e o cisalhamento. Ambos mostram razões de Ti/Zr...

Inclusões fluidas crepitadas, fluidos hipersalinos e aquo-carbônicos em quartzo associado a rochas micáceas no Granito Xinguara - Terreno Granito-Greenstone de Rio Maria, PA

Weber,Marcelo Leopoldo; Ronchi,Luiz Henrique; Althoff,Fernando Jacques; Leite,Albano Antônio da Silva; Dall'Agnol,Roberto; Fuzikawa,Kazuo
Fonte: Escola de Minas Publicador: Escola de Minas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2008 Português
Relevância na Pesquisa
69.64104%
As rochas micáceas encontradas no Granito Xinguara, terreno Granito-Greenstone de Rio Maria, Pará, são compostas por muscovita e clorita com níveis de quartzo intercalados, que formam uma xistosidade bem desenvolvida. Essa xistosidade é cortada por veios de quartzo. Ambas as gerações de quartzo apresentam os mesmos tipos de inclusões fluidas em halos ou trilhas secundárias de composições variadas entre aquosas, aquo-carbônicas e saturadas em torno de grandes inclusões primárias crepitadas ou em trilhas transgranulares secundárias. A grande variação de temperaturas de homogeneização, a alta salinidade, as evidências de estrangulamento e a existência das inclusões crepitadas permitem supor forte influência de alterações pós-formacionais e reequilíbrio relacionados à intrusão do granito. Essas rochas foliadas são, portanto, enclaves metassedimentares afetados por fluidos graníticos hipersalinos aquo-carbônicos.

Metadolomitos talcificados do Grupo Itaiacoca, Paraná: regime de fluidos e implicações genéticas; Talc-bearing metadolomites of the Itaiacoca Group, Paraná (Southern Brazil): fluid regime and genetic implications

Saunite, Danilo Marques; Bello, Rosa Maria da Silveira; Andrade, Fábio Ramos Dias de; Szabó, Gergely Andrés Julio
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/04/2011 Português
Relevância na Pesquisa
49.779785%
As maiores reservas de talco no Brasil estão localizadas em metadolomitos proterozoicos de baixo grau do Grupo Itaiacoca. Foram analisadas inclusões fluidas em três contextos diferentes de formação de talco. Ao longo de zonas de cisalhamento transcorrente ocorrem jazidas de talco xistos, em cujos veios de quartzo as inclusões fluidas são aquosas de baixa salinidade (< 5% em peso de NaCl equivalente) e desprovidas de CO2, indicando elevada razão água:rocha e prolongada percolação de soluções hidrotermais. A variação de Thtot nas inclusões primárias, principalmente de 110 a 230°C, é consequência de diversos episódios de percolação de fluidos durante a evolução das zonas de cisalhamento. Na periferia das zonas de cisalhamento, os veios em metadolomitos fraturados e incipientemente talcificados contêm inclusões ricas em CO2 (XCO2 de 0,17 a 0,81), indicando circulação mais restrita de fluidos, e Thtot, situada principalmente entre 250 e 300°C. As relações entre densidade e salinidade sugerem mistura supersolvus em proporções variáveis entre fluidos aquosos e carbônicos. No contato dos metadolomitos com o Complexo Granítico Cunhaporanga, as inclusões são carbônicas e aquocarbônicas, indicando circulação restrita de fluidos aquosos; apresentam um amplo intervalo de variação em salinidade (0 a 20% em peso de NaCl equivalente)...

Caracterização das inclusões fluidas dos topázios imperiais da região de Ouro Preto, MG

Gandini, A. L; Bello, R. M. S; Fuzikawa, K; Svisero, D. P; Ferreira, C. M
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/01/1991 Português
Relevância na Pesquisa
49.64104%
Optical investigation revealed a great number of fluid inclusions in the imperial variety of topaz that occurs at several localities around Ouro Preto, Minas Gérais, Brazil. The inclusions are biphasic at 25 ºC and display several patterns of morphology, orientation, and dimensions. Microthermometric studies revealed that the inclusions are filled mainly with aqueous solutions and CO2 . Moreover, for all the morphological types of inclusion, temperatures of formation are always similar. The data also suggest that all the inclusions developed simultaneously or under very similar conditions of PT. On the other hand, distinct group of inclusions display peculiar characteristics suggesting some sort of interaction between the fluids and the country rock. Finally, one should bear in mind the influence of postcrystallization events on the composition and thermodynamic properties of the original fluid inclusions.; Um grande número de inclusões fluidas de dimensões, orientações e morfologias variadas, bifásicas à temperatura de 25 ºC, ocorre no topázio imperial da região de Ouro Preto. Estudos microtermométrícos desses vários tipos de inclusões mostraram que elas são constituídas essencialmente por soluções aquosas e CO2 ; possuem...

ESTUDO DE INCLUSÕES FLUIDAS EM MINERAIS ASSOCIADOS À MINERALIZAÇÃO URANÍFERA DE TRÊS JAZIDAS DA PROVÍNCIA URANÍFERA DE LAGOA REAL, BAHIA – BRASIL

Oliveira, Lucilia Aparecida Ramos de; Souza, Aurélio da Silva de; Rios, Francisco Javier; Chaves, Alexandre de Oliveira; Amorim, Lucas Eustaquio Dias; Yardley, Bruce; Banks, David; Matos, Evando Carele de; Freitas, Mônica Elizetti de; Prates, Sônia Pin
Fonte: Centro de Pesquisa Professor Manoel Teixeira da Costa - IGC - UFMG Publicador: Centro de Pesquisa Professor Manoel Teixeira da Costa - IGC - UFMG
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2012 Português
Relevância na Pesquisa
69.706313%
Inclusões fluidas presentes nos principais minerais associados a corpos albitíticos mineralizados foram estudadas em trêsimportantes depósitos da Província Uranífera de Lagoa Real, Bahia, Brasil: Cachoeira; Engenho; e Rabicha. Fluidos associados a um primeiroestágio evolutivo, provavelmente magmático, foram encontrados em piroxênios de raras porções preservadas da jazida Cachoeira. Essassoluções são formadas por um fluido aquoso de salinidade intermediária (sem CO2), de temperatura eutética (Te) muito baixa e contêm Na,Rb e Ba. O segundo estágio, metamórfico, é o predominante nos albititos, e apresenta dois diferentes fluidos. Um deles é encontrado emcristais de piroxênio e granada (associados à uraninita), representado por uma fase aquosa de salinidade intermediária, sem CO2 econtendo Na, Mg, U, Rb, Ba, Sr, Pb, K, Ca, Fe, Cu, Zn, Li, Mn, As e Sb. Outro, associado ao plagioclásio, menos salino, e contendo Na, K, Mg,Ca, Fe, Cu, Zn, As, Sr, Ba e Pb. Um estágio de remobilização e precipitação de urânio deve estar associado a esta última fase. Foi verificada adiluição dos fluidos em piroxênios e granadas, no sentido N→S da Província. Considerando as diferentes propostas existentes para explicara origem da mineralização uranífera...

ESTUDO DE INCLUSÕES FLUIDAS EM VEIOS DE QUARTZO E CARBONATO (± SULFETOS-SULFOSSAIS) DO DEPÓSITO CARVOARIA VELHA, LINEAMENTO AURÍFERO CÓRREGO DO SÍTIO, SANTA BÁRBARA, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MG

Ribeiro, Yuri; Figueiredo e Silva, Rosaline C.; Lobato, Lydia M.; Lima, Luis Claudio
Fonte: Centro de Pesquisa Professor Manoel Teixeira da Costa - IGC - UFMG Publicador: Centro de Pesquisa Professor Manoel Teixeira da Costa - IGC - UFMG
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 31/07/2013 Português
Relevância na Pesquisa
69.706313%
O Lineamento Aurífero Córrego do Sítio corresponde a uma zona de cisalhamento dúctil com um trend NE-SW controlandoquatorze depósitos de ouro, no qual se inclui o depósito Carvoaria Velha. A mineralização de ouro se hospeda em rochas arqueanas dogreenstone belt Rio das Velhas, estas correspondem a filitos e xistos finos alterados a quartzo, carbonato e sericita. O estilo demineralização principal ocorre em veios de quartzo-carbonato-sulfetos (±sulfossais). Os tipos de veios são classificados como: Veios V1 –quartzo-ankerita-sulfetos-berthierita-ouro – são paralelos à principal foliação Sn e estão localmente mineralizados em ouro. Veios V2 –quartzo-ankerita-pirita – são veios desenvolvidos no plano de clivagem de crenulação Sn+1, extensionais e raramente mineralizados. VeiosV3 – quartzo-ankerita – são veios de preenchimento de fraturas Sn+3, geralmente não contêm sulfetos e sulfossais. Veios V4 – quartzocalcita– são veios restritos aos diques e sills metamáficos, são extensionais e sem orientação preferencial. Os minerais-minério sãoarsenopirita, pirita, berthierita e pirrotita. Microssonda eletrônica revela a presença de fases metálicas ricas em As, Sb e Co (boulangerita,tetraedrita...